Secretário do Paraná propõe que baladeiros fiquem no final da fila para leitos de UTI

Segundo Leprevost, a proposta não pretende impedir o tratamento de saúde a quem frequentou festas ilegais na pandemia, mas de “no caso de existir um só respirador, e duas pessoas precisarem, a que não fez balada clandestina deve ficar com a primeira vaga na UTI”, defende.

Por Programa do Tatu

29 de março de 2021, 15h30

O secretário de Justiça do Paraná e deputado federal licenciado, Ney Leprevost, encaminhou aos ministérios da Justiça e da Saúde uma proposta que sugere que quem for flagrado em baladas clandestinas, seja participando ou organizando, seja cadastrado numa “lista suja” da covid-19, para caso precisarem de um leito de UTI, fiquem no fim da fila.

Segundo Leprevost, a proposta não pretende impedir o tratamento de saúde a quem frequentou festas ilegais na pandemia, mas de “no caso de existir um só respirador, e duas pessoas precisarem, a que não fez balada clandestina deve ficar com a primeira vaga na UTI”, defende.

O secretário revela que alguns irão alegar que a proposta é inconstitucional. No entanto, ele defende: “o direito de se divertir e de enriquecer com o lazer dos outros não se sobrepõe ao direito a vida e a saúde de toda a sociedade”, afirmou Leprevost.