Saúde confirma nova morte por dengue no Paraná e total vai a 15 no ano

O óbito foi no município de Foz do Iguaçu; uma mulher, de 22 anos, sem histórico de comorbidades.

Dead aedes aegypti mosquito on the hand. Yellow fever, dengue, chikungunya and Zika diseases can be transmitted in Tropical countries. Photo in Rio de Janeiro, Brazil.

O Informe semanal da dengue divulgado hoje (6) pela Secretaria da Saúde do Paraná registra 1.407 novos casos da doença no estado e um novo óbito provocado pela doença. O óbito foi no município de Foz do Iguaçu; uma mulher, de 22 anos, sem histórico de comorbidades.

O período epidemiológico com início em agosto do ano passado soma 7.747 casos confirmados e 15 óbitos.

Até o momento, são 48.737 notificações distribuídas em 352 municípios das 22 Regionais de Saúde do Estado.

9.887 casos estão em investigação quanto à classificação final para dengue.

“A dengue pode ser prevenida com a adoção de medidas dentro de casa, com a remoção dos focos e eliminação de pontos que acumulam água nos ambientes residenciais; o mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti, se prolifera nestes locais e recipientes”, disse o secretário Estadual da Saúde, Beto Preto.

“Orientamos para que as pessoas que costumam reservar água em tanques, caixas d´água e baldes, por exemplo, para que cubram estes recipientes. No período epidemiológico anterior nossos técnicos observaram e removeram milhares de criadouros formados nestes pontos. Cobrir, vedar ou telar estes reservatórios é fundamental para se evitar a proliferação do mosquito”, afirmou o secretário.

As estações do outono e do inverno se caracterizam por períodos de seca mais prolongada . Durante vistorias da Vigilância Ambiental, principalmente em municípios da região Oeste foram detectados grandes focos e criadouros do Aedes aegypti em recipientes improvisados para a reserva de água durante a estiagem.

“Lembramos que : onde tem água parada pode ter dengue, além da zika e chikungunya, outras doenças graves também transmitidas pelo mosquito”, complementou a chefe da Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores da Sesa, Emanuelle Gemin Pouzato.

Confira o informe completo clicando aqui.