Riscos de disseminação da variante delta reforçam necessidade de cuidados

Embora o número de casos indique tendência de queda, com redução também na ocupação de leitos hospitalares, as autoridades alertam que ainda não é o momento de relaxar porque existe a possibilidade de novas ondas da covid-19.

Por Programa do Tatu

28 de julho de 2021, 08h40

Foto: Asaff Saab de Souza

A melhora no cenário da pandemia de coronavírus em Umuarama não pode motivar o relaxamento nas medidas preventivas. As autoridades sanitárias que realizam fiscalização sobre o cumprimento das determinações, têm notado descuido crescente de parte da população, principalmente no uso de máscaras – que é obrigatório –, nas aglomerações e na permanência nas ruas além do horário de restrição de circulação (das 23h às 5h), conforme decretos do Estado e município.

A constatação é do coordenador da Vigilância Sanitária, Franzimar Morais, que é responsável pela Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa) da Prefeitura. Na última sexta-feira, 23, houve denúncias contra bares de vários bairros da cidade e estabelecimentos na Praça Miguel Rossafa e região central.

“Um dos bares foi orientado duas vezes, enquanto outro bar e duas conveniências foram notificados, além de aglomeração com consumo de bebidas alcoólicas no Lago Aratimbó, que foi dispersada. No sábado (24), em uma lanchonete, havia um espaço irregular com consumo de narguilé inclusive por adolescentes. O espaço foi interditado”, informou.

Embora o número de casos indique tendência de queda, com redução também na ocupação de leitos hospitalares, as autoridades alertam que ainda não é o momento de relaxar porque existe a possibilidade de novas ondas da covid-19. “Há receio de que um surto possa ser causado pela variante delta, inclusive com a previsão de nova onda no final do mês. A vacina é a melhor prevenção contra covid-19, mas não se pode descuidar das medidas. Continuaremos fiscalizando, com o apoio da Guarda Municipal e da Polícia Militar”, completou Franzimar.

Na última semana, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) confirmou mais quatro casos da variante delta no Paraná, todos nas imediações da capital – além de Curitiba, Araucária, Piên e Piraquara. Os casos confirmados são um homem de 78 anos que morreu em 30 de junho; outro de 64 que morreu em 11/07; uma gestante de 24 anos, de Curitiba, que se recuperou da doença; e um adolescente de 13 anos que também vem se recuperando.

O Paraná totaliza 13 casos da variante delta, com seis mortes. Já são nove cidades com casos: Curitiba, Apucarana, Francisco Beltrão, Rolândia, Mandaguari, São José dos Pinhais, Piên, Piraquara e Araucária. Por conta dos riscos de transmissão comunitária, técnicos da Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde e da Sesa farão avaliação permanente sobre o cenário da transmissão da variante delta no Paraná.

Nesta terça-feira, Umuarama registrou mais 31 casos de covid-19, elevando para 15.363 o total de positivados. A grande maioria se curou (13.288), 293 morreram e 1.760 umuaramenses estão hoje em isolamento domiciliar, 22 hospitalizados e 2.898 em investigação por suspeita de infecção pelo coronavírus – três deles internados.