Comissão Processante da Câmara de Vereadores de Umuarama ouve primeiras testemunhas

O empresário do ramo da construção civil, Carlos Cher Valente foi o primeiro a ser ouvido. Ele é dono da construtora que executa a obra de um edifício onde Pozzobom comprou um apartamento no ano de 2019 ao custo de R$ 180 mil, divididos em três parcelas.

Por Programa do Tatu

24 de novembro de 2021, 14h59

Ocorreu na manhã desta quarta-feira (24) a primeira reunião da Comissão Processante 02/2021, que analisa pedido de cassação do mandato do prefeito afastado Celso Pozzobom, o qual se embasa em suposta compra de apartamento em Umuarama, no Edifício Malibu (Av. Parigot de Souza) em nome do prefeito, que, supostamente, teria sido pago com recursos públicos. Também participaram da reunião, o advogado da acusação e também os advogados de defesa.  

O empresário do ramo da construção civil, Carlos Cher Valente foi o primeiro a ser ouvido. Ele é dono da construtora que executa a obra de um edifício onde Pozzobom comprou um apartamento no ano de 2019 ao custo de R$ 180 mil, divididos em três parcelas.  

Valente respondeu questões relativas aos procedimentos adotados para a formalização da compra, assim como confirmou que as primeiras parcelas foram pagas pelo advogado Heber Lepre, ex-procurador jurídico do município. Ele detalhou os processos relativos à compra, bem como informou que resta uma parcela do imóvel a ser quitada.  

Posteriormente seria ouvido o empresário do ramo imobiliário Paulo Sérgio Pereira da Silva. No entanto, a defesa do prefeito afastado Celso Pozzobom requereu que Silva não falasse, tendo em vista que seu nome não constava na denúncia do pedido de cassação. Ante ao fato, o presidente da comissão acatou o pedido da defesa e Paulo César não foi ouvido.  

Na seqüência, às 10h45, estava agendada a oitiva com Hermes Correa Almeida, porém, a defesa de Almeida solicitou ao presidente da CP 02/2021, vereador Sorrisal – Amigo do Povo, que a oitiva fosse remarcada para o dia 06/12, tendo em vista que Hermes Correa já está intimado para outras oitivas no período. Em votação, o pedido foi acatado pelos membros da Comissão, que é composta ainda pelos vereadores Ana Novais como relatora e Ednei do Esporte como membro.  

O advogado Heber Lepre Fregne foi a quarta testemunha convocada para a oitiva desta quarta-feira. Ele confirmou que auxiliou no processo relativo à compra do apartamento adquirido por Celso Pozzobom. Ele também reiterou que auxiliou no processo enquanto era procurador jurídico do município, cargo que ocupou até setembro de 2019. As tratativas para a compra do apartamento se iniciaram no começo de 2019.  

Lepre informou também que intermediou o pagamento de prestações do apartamento, confirmando ainda que uma das parcelas teria sido paga pelo ex-diretor de assuntos institucionais da prefeitura, José Cícero Laurentino, e que está detido pela operação metástase.  

Questionado se possuía alguma procuração para atuar em nome do prefeito, Heber destacou que apenas auxiliou o então prefeito e que não possuía procuração para tanto, justificando que o contrato da compra do apartamento foi assinado por Celso Luiz Pozzobom.