Com a aprovação do COE, município deve flexibilizar restrições contra covid

Em reunião do Centro de Operações de Enfrentamento à Covid-19 (COE), com a presença do prefeito em exercício Hermes Pimentel, na manhã desta quinta-feira, 25, houve consenso de que as últimas restrições existentes devem ser baixadas, permanecendo apenas a obrigatoriedade do uso da máscara.

Por Programa do Tatu

25 de novembro de 2021, 17h51

Umuarama deve seguir as orientações do Governo do Estado nas medidas de prevenção e combate à pandemia de coronavírus. Em reunião do Centro de Operações de Enfrentamento à Covid-19 (COE), com a presença do prefeito em exercício Hermes Pimentel, na manhã desta quinta-feira, 25, houve consenso de que as últimas restrições existentes devem ser baixadas, permanecendo apenas a obrigatoriedade do uso da máscara.

Outra providência será estimular a vacinação, após a secretaria planejar uma estratégia para ofertar novas opções à população, principalmente para aplicação da segunda dose.

A deliberação do COE tem por base não apenas o indicativo da Secretaria de Estado de Saúde (Sesa), que embasa as resoluções do governo, mas também a análise permanente da situação da pandemia em Umuarama. Considera a taxa de ocupação hospitalar, o índice de positividade nos exames realizados e a queda no número de casos positivos – nesta quinta, por exemplo, houve uma única confirmação para covid-19 na cidade e na quarta foram dois casos.

A secretária municipal de Saúde, Maria Harue Takaki, lembrou que o número de atendimentos no Ambulatório de Síndromes Gripais também diminuiu bastante, em relação aos momentos de pico da pandemia, e que o governo do Estado vem reduzindo gradativamente o número de leitos hospitalares exclusivos para a doença. “No próximo dia 1º a oferta de leitos vai diminuir ainda mais, com a redução para 10 enfermarias (além de 10 unidades de terapia intensiva) no hospital de referência em Umuarama, que é o Uopeccan”, anunciou.

Mesmo assim, a Secretaria de Saúde vai manter o atendimento do ambulatório 24h por dia, com equipe reduzida, especialmente com a expectativa de aumento na circulação de pessoas durante as festas de final de ano e o horário de atendimento prolongado do comércio local.

“Umuarama costuma receber muitos visitantes nesta época do ano. Além disso, teremos também recesso em algumas unidades de saúde por cerca de 15 dias, entre o natal e o ano novo. Com o ambulatório funcionando 24h por dia, UBSs estratégicas abertas e o Pronto Atendimento, a população estará bem atendida”, comentou Harue.

O prefeito Pimentel também defendeu a adequação das medidas à posição do governo do Estado. O promotor de Justiça, Marcos Antônio de Souza, disse que a situação atual permite a flexibilização, “mas o município deve ficar atento à evolução dos casos de covid-19 e agir rápido, caso ocorra o agravamento do quadro, sem descuidar também da taxa de ocupação de leitos”, recomendou.

VACINAÇÃO

A coordenadora de Atenção Primária em Saúde, Simony Rodrigues Bernardelli, reforçou que as ações devem ser focadas na vacinação. “Precisamos intensificar a campanha para vacinar quem ainda não recebeu nenhuma dose e as pessoas que não voltaram para a segunda dose. A vacinação tem bom ritmo, mas ainda há resistência – ou falta de importância – de parte da população”, comentou.

O setor estuda estender horários, promover vacinação em finais de semana e imunização itinerante, levando equipes do município até empresas com grande número de trabalhadores ainda não vacinados ou com doses em atraso. “Em breve devemos anunciar novas estratégias para ampliar a cobertura vacinal em Umuarama”, reforçou.

Acompanharam a reunião, ainda, representantes dos hospitais da cidade, o secretário municipal de Administração, Silvestre Roberto de Lima, o coordenador da Vigilância Sanitária, Valdemir Santos Silva, e representantes da Covisa (Coordenadoria de Vigilância em Saúde).