Temporal com rajadas de vento de 100 km/h derrubam diversas árvores em Umuarama

Por Programa do Tatu

14 de outubro de 2021, 08h33

Equipes da Prefeitura de Umuarama tiveram muito trabalho após a ocorrência de um temporal na madrugada desta quinta-feira (14). Com ventos que chegaram a 100 km/h, ao menos 50 árvores foram danificadas ou até arrancadas em vários bairros da cidade. Para se ter uma ideia, só de moradores da avenida Rio Grande do Norte (que corta todo o município) foram recebidas mais de 15 solicitações.

De acordo com a Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, mais de 60 chamados foram registrados com pedidos de ajuda diversos, informações sobre galhos arrancados e até casos mais graves, como a queda de árvores sobre redes elétricas, derrubando postes e interrompendo o fornecimento de energia. “A prioridade foi atender os casos em que o cidadão ficou impedido de sair de casa por ter uma árvore caída em seu portão, depois a questão de liberar as vias públicas mais importantes que foram interrompidas”, detalhou Fernanda Periard Mantovani, da Divisão de Controle Ambiental, acrescentando que muitas árvores que caíram não possuíam solicitação na prefeitura para corte. “Elas apresentavam um bom vigor vegetativo”, registrou a técnologa ambiental.

O secretário municipal de Serviços Públicos, João Paulo dos Santos, conta que desde antes das 7h várias equipes de trabalho já estavam nas ruas. “Trabalhamos com quatro equipes de cinco profissionais cada, um caminhão, um trator e até apoio de uma pá carregadeira. Solicitamos profissionais de outras secretárias para nos dar apoio nesta ação de urgência e montamos, após o almoço, mais duas equipes extras de trabalho. Mesmo com esse esforço concentrado, acreditamos que os trabalhas só devem ser concluídos no final da tarde de sábado, se não houver mais tempestades”, observou.

Foto: Daniel Oliveira/Rede TV Mais

Ele conta que a região mais atingida – com relação à queda de árvores – foi a Zona II, porém os chamados estão em todas as outras regiões da cidade. “Até antes do almoço já havíamos contabilizado mais de 50 solicitações, sendo galhos e até mesmo árvores, arrancadas pela força dos ventos. Como manda o protocolo de ação em casos como esses, a prioridade é liberar as vias para que o trânsito possa fluir, trabalhar em parceria com a Copel para o restabelecimento do fornecimento de energia e garantir principalmente que a vida humana não seja colocada em risco”, resumiu.

Foto: Mayara Cristina