Planalto

Avô é suspeito de abusar da neta de quatro anos em Umuarama

“Ele só colocou o dedo, não sangrou, não saiu o tampão, nem nada. Ele não vai chegar mais perto dela. Mas não irei passar o endereço do meu sogro. Não quero que ele vai preso”, disse a mãe da criança à polícia.

Por Tatu na TV

7 de junho de 2019, 08h45

Foto: Divulgação

Um possível caso de abuso sexual contra uma menina de quatro anos está sendo investigado pela Polícia Civil de Umuarama. O suspeito de praticar o abuso seria o avô paterno da criança.

Em nota divulgada à imprensa na manhã desta sexta-feira (7), a Polícia Militar (PM) informou que foi acionada na noite de quinta-feira (6), por volta das 22h30, para comparecer ao Pronto Atendimento (PA). O solicitante – médico plantonista – relatou aos agentes que atendeu uma paciente de quatro anos que poderia ter sido vítima de abuso sexual.

O médico explicou que a criança chegou na unidade médica acompanhado da mãe. Durante atendimento, a menina teria se queixado de dores nas partes íntimas e que o motivo seria o próprio avô – que teria colocado o dedo em suas partes íntimas durante o banho.

O profissional relatou ainda que examinou a criança e constatou que suas partes íntimas estavam inchadas.

Diante da situação, ele disse à mãe da menina que iria acionar a Polícia Militar, momento em que a mulher pegou a filha e saiu do local.

Com base no endereço do prontuário, os policiais conseguiram localizar a residência onde as duas moravam. Questionada, a mulher confirmou os relatos da filha, porém, disse que o sogro “só colocou o dedo, não sangrou, nem saiu o tampão, nem nada. Ele não vai chegar mais perto dela. Mas não irei passar o endereço do meu sogro. Não quero que ele vai preso”.

Ela e a criança foram encaminhadas à delegacia para serem ouvidas. A Polícia Civil investiga o caso.

O conselho tutelar também foi acionado para acompanhar a situação.

Redefarma
Odonto San